Flu sofre, mas inicia luta pelo título carioca com vitória: 1 a 0 no Bangu

Com estreante Souza expulso no 1º tempo, Tricolor leva sustos e garante três pontos graças a gol de Fred após bela jogada de Tartá


Um mês e 15 dias depois da vitória sobre o Guarani que garantiu o título brasileiro, o Fluminense voltou ao Engenhão, para encarar o Bangu, pela primeira rodada da Taça Guanabara. A importância da partida desta quinta-feira não era a mesma, o estádio não estava lotado, o craque da equipe, Conca, não estava presente, mas em campo o desenrolar da história foi parecido com o de 5 de dezembro. Tenso e afobado em campo, o Tricolor sofreu, criou poucos lances e venceu: 1 a 0.

Na mesma trave em que Emerson se transformou herói e também no segundo tempo, Fred foi o autor do gol salvador. Com três pontos, o Tricolor é o terceiro colocado do Grupo A, atrás de Macaé e Botafogo nos critérios de desempate. O próximo rival é o Olaria, domingo, às 19h30m (de Brasília), novamente no Engenhão, pela segunda rodada. Já o Bangu é o sexto colocado e tem pela frente o Madureira, também domingo, às 17h, em Conselheiro Galvão.

Provocação alvinegra; celebração tricolor

A noite tricolor no Engenhão começou com provocação alvinegra. Após a vitória por 2 a 1 sobre o Duque de Caxias, parte da torcida do Botafogo permaneceu no estádio para o jogo de fundo e não perdoou um torcedor que apareceu com a camisa do Flu na ala oeste (destinado aos botafoguenses). Muito xingado, o tricolor se viu obrigado a trocar de camisa para ter paz.

Minutos depois, foi a vez da equipe de Muricy Ramalho entrar em campo e as vaias botafoguenses darem lugar ao incentivo tricolor. Pela primeira vez no gramado do Engenhão após o título do Brasileirão, o Fluminense foi recebido aos gritos de “tricampeão”. E além de todos os jogadores escalados, Conca e Washington foram ovacionados. Uma semana depois de anunciar a aposentadoria dos gramados, o Coração Valente foi homenageado no campo durante o intervalo.

Flu em ritmo lento. Bangu ousado

As lembranças da partida contra o Guarani, porém, ficaram nos gritos de campeão em todo o primeiro tempo. Em ritmo lento e sem inspiração, o Tricolor se mostrou sem inspiração diante de um adversário ousado. Errando muitos passes, o Flu não conseguia levar a melhor no meio-campo e as ações ofensivas ficaram restritas às jogadas de bola parada, que saíam do pé direito de Souza. Fosse em faltas ou escanteios, o estreante cobrava com precisão.

O mesmo não aconteceu nas conclusões de Deco, duas vezes, e Fred. Enquanto isso, o time de Moça Bonita não se intimidava, tocava bem a bola e chegava com perigo muitas vezes no mano a mano com Gum, Leandro Euzébio e Valencia. Vaiado pelos botafoguenses, Diguinho não era o mesmo, e o time da Zona Oeste pressionava.

Após a parada técnica, só deu Bangu, e ficaram faltando centímetros para que Ricardinho abrisse o placar em duas oportunidades em chutes da entrada da área. Na beira do campo, Muricy Ramalho não gostava do que via e gritava bastante, principalmente com o setor defensivo.

Destaque da pré-temporada, Souza começou a partida dando indícios de que teria uma estreia empolgante. Melhor em campo, tentava levar o Flu ao ataque com bons passes e era certeiro nas bolas paradas. O excesso de vontade, porém, abreviou sua primeira exibição com a camisa tricolor. Ao tentar ajudar a defesa, o apoiador mostrou que não tem muito cacoete para marcação e, com dois cartões amarelos em um intervalo de três minutos, foi expulso aos 38.

Fred garante o sorriso tricolor


O panorama da partida não mudou no segundo tempo: o Fluminense dependente de bolas paradas, e o Bangu sem medo de se arriscar. Do lado tricolor, Marquinhos, que substituiu Mariano, que saiu com um problema na coxa, assumiu faltas e escanteios. E foi bem. Fred e Gum, porém, não mostraram boa pontaria e desperdiçaram as oportunidades.

Na base da velocidade, o Bangu levava (muito) perigo. Ricardo Berna e a sorte evitaram o pior. Se o goleiro parou Pipico e Leandro Costa, a bola no travessão após cabeçada de Thiago Galhardo representou o melhor lance alvirrubro. E o maior susto para os tricolores.

Entretanto, a expulsão do zagueiro Raphael freou o ímpeto do Bangu. Em igualdade numérica, a equipe reduziu o ritmo. Foi quando o Fluminense se soltou e abriu o placar. Fazendo valer das jogadas pelas laterais, o Tricolor virava o jogo de um lado para o outro, até que Tartá encontrou o espaço que precisava pelo lado esquerdo, aos 36.

O atacante foi a linha de fundo, levantou a cabeça e cruzou para Fred no segundo pau. O atacante cabeceou como manda o figurino, para o chão, e venceu Thiago Leal: 1 a 0. Era o suficiente para garantir os três pontos e satisfazer o torcedor, que deixou o Engenhão cantando: “É tempo de sorrir. Sorria”.

Bangu 0 x 1 Fluminense
Thiago Leal, China, Diego Padilha, Raphael e Fabiano Silva; Joziel, Thiago Galhardo (Thiago Neiva), André Barreto e Ricardinho (Abílio); Somália (Leandro Costa) e Pipico. Ricardo Berna, Mariano (Marquinhos), Gum, Leandro Euzébio e Julio Cesar (Carlinhos); Valencia, Diguinho, Souza e Deco (Rodriguinho); Tartá e Fred.
Técnico: Gabriel Vieira. Técnico: Muricy Ramalho.
Gols: Fred, aos 36 minutos do segundo tempo.
Cartões amarelos: Joziel, Diego Padilha, China, Abílio e Raphael (BANG) Leandro Euzébio, Julio Cesar e Souza (FLU). Cartão vermelho: Souza (FLU) e Raphael (BAN).
Público presente: 19.206. Público pagante: 15.454. Renda: R$ 315.170,00
Estádio: Engenhão, no Rio de Janeiro. Data: 20/01/2011. Arbitragem: Péricles Bassols Cortez, auxiliado por Ricardo Maurício Ferreira e Eduardo de Souza Couto.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: